Home Hardware Gigabyte Z68X-UD3H-B3

A Gigabyte é um dos fabricantes de motherboards que se preparou melhor para a introdução no mercado do chipset Intel Express Z68. Com uma gama completa de modelos, desenvolvidos para todo o tipo de exigências e com opções para vários níveis de preço é quase certo que há um modelo ideal para cada tipo de cliente.

Depois de termos analisado o modelo topo de gama e focado no mercado entusiasta, desta vez temos oportunidade de escrever sobre o modelo mais modesto em termos de preço mas que, surpreendentemente, parece ser o mais completo dos até agora disponíveis.

Enquanto há muitas motherboards P67 e H67 ainda a chegar a casa dos seus donos depois de terem sido substituídas pela revisão B3, já há no mercado motherboards que permitem fazer overclocking ao CPU através de multiplicador e permitem utilizar e fazer overclock à gráfica integrada no CPU que está especialmente vocacionada para algumas tarefas, como por exemplo, transcoding de conteúdo digital. A Z68X-UD3H-B3 é uma dessas motherboards.

Esta motherboard utiliza o novo esquema de cores da Gigabyte, PCB preto e poucas cores a destoar, sem ser no painel I/O traseiro. O layout é bastante agradável mas podemos notar que também não é o expoente máximo da Gigabyte em termos de especificações. Mas para o nível de preço onde se pretende inserir, há que chegar a alguns compromissos.

É mais uma motherboard com a tecnologia Ultra Durable 3, com destaque para os Driver MOSFETs, condensadores sólidos de alta qualidade, que adicionam o D ao nome do modelo e 2oz de cobre no PCB, que é de onde vem o U no nome do modelo.

A tecnologia DualBIOS com suporte para arrancar por HDD com 3TB+ também é uma das características que está presente neste modelo e em que a Gigabyte acredita! BIOS? Quem fala em BIOS neste momento, tem de falar obviamente da nova TouchBIOS da Gigabyte! Super simples e muito eficaz.

Mas o mais importante neste modelo em particular é o suporte para a tecnologia Virtu da Lucid para utilizar o Quick Sync da Intel e também no mesmo nível de importância, a nova tecnologia SSD Caching que dá um bom aumento de desempenho com um pequeno SSD.

No entanto há algumas características que a Gigabyte não dispensa e talvez o suporte para AMD CrossFireX e NVidia SLI. Mas sem nos apressarmos, vamos começar pela zona do socket. Temos então um modelo pouco exótico, com apenas 8 fases de alimentação e um sistema de refrigeração simples, que utiliza o sistema de fixação por pinos e não por parafusos.

A arquitectura Dual Channel com memórias super rápidas continua a ser uma boa aposta, pelo menos até à chegada da próxima plataforma Intel e, neste caso, temos suporte para um máximo de 32Gb acima capaz de funcionar acima dos 2200MHz, com overclocking.

Na área dos slots de expansão temos uma configuração curiosa. Esta motherboard tem dois slots PCI Express 2.0 x16 com suporte para AMD CrossFireX e NVidia SLI mas que, quando numa destas configurações, passam a funcionar x8/x8. Além destes slots, temos três PCI Express x1 e dois PCI.

Num olhar mais atento podemos ver que também foram removidas duas portas SATA II e então para dispositivos SATA temos sete portas disponíveis, duas das quais de 6Gbps e as restantes cinco de 3Gbps. A porta que falta viajou para o painel I/O traseiro transformando-se numa porta eSATA.

Surpreendentemente, ou não, o painel traseiro está bastante bem equipado. Em termos de portas de vídeo, temos todas as mais conhecidas, algumas que gostávamos de ter visto na UD7. Ora então um DVI, VGA, DisplayPort e HDMI. Portas USB com fartura, num total de catorze USB 2.0 que incluem as internas e quatro USB3.0 em que duas estão colocadas no painel traseiro. Há ainda espaço para duas Firewire e a super antiga porta PS2 para rato ou teclado. Em termos de som, temos os habituais jacks 3.5mm e o que podemos esperar é som HD de 8-canais com software Dolby e autocolantes também…

Esta é uma pequena análise do layout da motherboard, num sample que não é sequer versão retail, revisão 0.2 e nos próximos dias vamos adicionar os resultados dos testes. Dos testes que já temos os resultados são muito bons e a motherboard tem surpreendido pela positiva, especialmente nos testes de overclocking e pela negativa temos de destacar alguns bugs encontrados na tecnologia Virtu.

Esta motherboard, pelo conjunto e excelente preço, não terá problemas em afirmar-se no mercado e tornar-se na preferência de muitos utilizadores, enquanto os modelos superiores não permitirem trocar da gráfica dedicada para a gráfica integrada.

Páginas: 1 2

0 Comentários a este artigo
  1. 140€ da motherboard + 60€ para ram + 100€ por um processador + 50€ por um disco + 50€ por uma fonte + 20€ por um caixote qq e tens um pc à maneira a um preço baixo mas com um grande potencial. parece-me muito bem! vamos lá ver como correm os testes… 😉

Deixar um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Outros Artigos