Home Hardware Dissipadores Arctic HC01-TC

Como sabemos, um dos maiores inimigos da electrónica é o próprio calor libertado pelos componentes durante o seu normal funcionamento. E enquanto que certo hardware requer uma lógica refrigeração através de coolers próprios (activos ou passivos), tal como um CPU, motherboard, gráfica, etc…, outros componentes de um PC nem sempre recebem muita atenção por parte de quem o usa. E isto é pArcticularmente válido para o caso dos discos rígidos, ou como normalmente designamos na gíria:  HDD (“Hard Disk Drive”), o que não deixa de ser irónico, já que um disco rígido é um dos componentes mais preciosos num PC tendo em conta a informação que nele armazenamos. Isto porque quando um componente como uma gráfica avaria, podemos substituí-lo sem grandes perdas (para além da potencial perda financeira em caso de estar fora da garantia), mas com os discos rígidos a situação é diferente… mesmo que um HDD esteja ainda dentro do prazo de garantia, nunca iremos recuperar as informações nele contidas caso o tenhamos de devolver para substituição.

Torna-se por isso prioritário que cuidemos dos nossos HDD em termos de temperatura, especialmente se forem modelos adquiridos há alguns anos, cujas tecnologias não estão tão avançadas quanto os actuais modelos no mercado. E nesse caso temos também presentes possíveis vibrações e respectivo ruído ressonante que tanto nos incomoda.

Para colmatar essas lacunas, a especialista marca Suiça “Arctic” (anteriormente conhecida como “Arctic Cooling”) lançou a HC01-TC, uma caixa interna para discos rígidos de 3,5″ SATA,  com ventilação controlada por sensor térmico e com apoios em esponja para absorver as vibrações do disco que doutra forma propagar-se-iam pelo chassis da case, provocando som incomodativo.

Especificações

Material:  Metal (SPCC)
Fan:  1x 40mm (controlada por sensor de temperatura)
Fan RPM:  de 1600 a 4600 RPM
Aplicação:  Interna em cases (baía de 5.25″)
Compatibilidade:  1x HDD 3.5″ SATA
Dimensões:  186 (C) x 145 (L) x 43 (A) mm
Dimensões c/ embalagem:  200 (C) x 155 (L) x 45 (A) mm
Peso:  580g

 

Embalagem e Conteúdo

Ao bom velho estilo da Arctic, a HC01-TC vem inserida numa embalagem simples, prática e transparente, permitindo dar uma olhada inicial nalguns pormenores do componente.

Já na traseira da caixa, temos uma vasta informação das propriedades do material em várias línguas, assim como informações técnicas úteis.

Ao abrir a caixa temos então a HC01-TC e um simples manual desdobrável com instruções disponíveis num vasto número de línguas, incluindo a Portuguesa, embora neste caso concreto a zona PT tenha o mesmo texto em Polaco da zona PL, um lapso que certamente já terá sido rectificado pela Arctic, já que esta sample nos foi disponibilizada há já algum tempo atrás.

Em Detalhe

A HC01-TC é feita em metal, o que ajuda na dissipação de calor gerado pelo disco rígido, mas há outros que factores que ajudam a ventilar o interior da caixa:  ranhuras laterais de ambos os lados ajudam a renovar o ar, uma ventoínha de 40mm encarrega-se de retirar o ar quente, e no lado oposto uma grelha frontal serve de admissão de ar fresco, tirando maior proveito da possível presença de uma fan frontal na case onde iremos instalar a Arctic.

No lado que irá ficar virado para o interior da case temos então a pequena fan de 40mm e a ranhura onde ficarão as interfaces do HDD. Ventoínhas deste diâmetro já são uma raridade em PC’s de desktop, mas neste caso é a solução mais viável para a ventilação activa desta pequena caixa com perfil bastante baixo (5,25″). Embora volumosa, a fan está deslocada para o lado exterior e não interfere assim com cabos vindos da motherboard e outros componentes. A alimentação é feita por uma tradicional molex dupla de 4-pinos, sendo ficha e tomada ao mesmo tempo, para poder dar continuidade ao cabo da fonte e poder alimentar outros componentes do PC. O fio no entanto poderia ser um pouco mais comprido para dar mais margem de arrumação no interior da nossa case.
Relembro que a rotação da fan será controlada automaticamente conforme a temperatura do disco, raramente funcionando assim na sua rotação máxima, pormenores mais à frente nesta review.

Interior

Colocar um HDD no interior da HC01-TC é bastante fácil, bastando quatro simples passos. Primeiro há que retirar a parte de cima, tirando quatro parafusos, com uma normal chave “estrela”.

No interior encontramos um pequeno saco com alguns acessórios: oito parafusos para fixar a HC01-TC à baia de 5.25″ da case/PC, duas esponjas com adesivo na base e ainda um autocolante da Arctic. Nota ainda para o fio do sensor térmico, que irá ser fixado na superfície do HDD para o automático controlo da rotação/ventilação. Como se pode ver o interior está repleto de esponjas, sendo as do fundo um pouco mais robustas para poder suportar bem o disco.

Inserir o disco no seu local é muito fácil, basta dar um jeito às esponjas laterais e o disco irá assentar que nem uma luva, já que em todo o redor tem sempre apoio e as esponjas são muito maleáveis permitindo ajustes.

O passo seguinte consiste em colocar e fixar o sensor térmico junto ao disco. O sensor térmico encontra-se na ponta do fio e como tal convém colocá-lo numa zona onde o disco aqueça bastante, normalmente no centro dos discos interiores, embora neste caso o disco usado (WD) tenha autocolante em praticamente toda a superfície, não permitindo o contacto directo do sensor com o alumínio do HDD. Pra fixar o sensor (e o fio, caso queiram), iremos usar as duas esponjas que vinham no saco dos acessórios. Esponjas essas que desempenham ainda o amortecimento vertical contra a tampa de cima quando colocada mais tarde. Cada esponja tem uma banda autocolante para colar no HDD, para que segurem bem o sensor/fio no seu respectivo local.

Por fim torna-se a colocar e fixar a tampa com os respectivos parafusos e temos tudo pronto para a instalação da HC01-TC dentro do nosso PC. As interfaces do disco ficam aparentemente bem acessíveis, mas nem tudo são rosas a partir daqui.

Instalação

Como já podem ter notado, toda a zona envolvente onde ficam as interfaces do HDD tem uma depressão para o intetior e desde cedo comecei a pensar se tudo isso daria bom resultado caso o utilizador usasse um cabo SATA e de alimentação com formato em “T”. Mesmo antes de colocar a  HC01-TC na baia da case, rapidamente fiz a dupla experiência, e o resultado foi desapontante. O problema surge logo assim que tentamos ligar um desses cabos: o HDD desloca-se para dentro conforme tentamos ligar as fichas e, devido à tal depressão e ao formato em “T” das fichas SATA/alimentação, o parte dos fios esbarra na borda metálica da Arctic e não há alcance suficiente para conseguir ligar os cabos. Basicamente o maior trunfo desta Arctic é também o maior ponto negativo: todo aquele suporte em esponja em redor do HDD é fantástico para absorver as vibrações, mas isso significa que o disco nunca fica propriamente fixo lá dentro e conforme tentamos ligar os cabos ao HDD, ele simplesmente movimenta-se ao mínimo empurrão, comprimindo/descomprimindo as esponjas. Imaginem a dor de cabeça de um utilizador quando só repara neste pormenor depois de já ter a HC01-TC fixada dentro da case e tenta então fazer o que supostamente seria o mais fácil: ligar os cabos.

Como tal, a única maneira fácil de ligar esta caixa é usar fichas de ligação “em linha”, sem derivações ou formato em “T”, o que pode ser um caso bicudo dependendo da fonte de alimentação que se tenha instalada no PC. Com este tipo de cabos, já se consegue ligar tudo no seu sítio, já que mesmo que o disco se desloque para dentro, as fichas são suficientemente estreitas para passar para dentro no orifício e ligar na mesma ao HDD.

Feita a experiência, falta apenas a colocação dentro da case/PC, numa baia de 5.25″. A furação de aperto lateral está localizada de modo a que a HC01-TC fique um pouco deslocada para dentro e não no limite frontal da case, e isso deve-se ao facto de ser aconselhável colocá-la numa baia que tenha ventilação frontal por parte de uma fan. Desta forma há maior eficiência na circulação de ar no interior da Arctic, proporcionando menores temperaturas do disco rígido. A fixação ao chassis pode ser feita com os 8 parafusos incluídos no pequeno saco de acessórios, mas caso tenham uma case com algum sistema de encaixe “tool-less” não será necessário esse trabalho extra.

Performance

Para por à prova as capacidades desta Arctic, recorri ao uso de um “velho amigo” WD 6400AAKS (7200 rpm), um disco com vários anos em cima e ainda do tempo em que a redução de temperatura era um factor de segundo plano. Comparando com os HDD actuais, é um disco que chega a aquecer mais 4~5ºC… pode não parecer muito, mas em dias quentes como os actuais, são graus suficientes para o fazer ultrapassar facilmente a barreira psicológica dos 43~45ºC quando em uso intensivo.

No que toca ao desempenho sonoro, é certamente o ponto mais forte da HC01-TC, a absorção de vibrações e ruídos é excelente e é ideal para calar discos mais antigos cujo ruído de funcionamento é constante. Por sua vez a ventoinha de 40mm incorporada não denuncia muito o seu funcionamento em condições normais já que a sua velocidade é controlada conforme a temperatura do disco no interior, e na maior parte do tempo a sua rotação deverá estar mesmo próxima do mínimo. O que é uma mais valia, já que fans de pequenas dimensões e consequentemente de rotações mais elevadas têm tendência a ficarem ruidosas, a stressar o rolamento e a ceder mais cedo que outras maiores. No entanto, falamos em anos de uso, não de algo a curto-médio prazo.

Passando ao cerne da questão, para testar o comportamento térmico da Arctic recorri a diversos testes com o 6400AAKS em IDLE e sob stress, ambos em vários cenários diferentes:
– HDD cage full -> Neste teste o 6400AAKS está montado numa típica “gaiola”/”cage” de HDD presente em diversas cases hoje em dia. Situa-se junto com outros dois HDD empilhados na vertical, sendo o AAKS o disco do topo. A juntar a isso há uma fan de 120mm na sua velocidade máxima a fornecer airflow fresco directamente do exterior.

– HDD cage low -> Configuração idêntica à anterior, com a excepção da fan que neste caso está na sua velocidade mínima, proporcionando mais silêncio.

– Arctic HC01 -> Neste caso temos a HC01-TC a funcionar normalmente, mas sem recorrer a uma fan frontal a ajudar no airflow, ou seja, o desempenho nesta situação vai depender exclusivamente da fan de 40mm incorporada.

– HC01 (fan off) -> Situação semelhante à anterior, mas em que a fan de 40mm incorporada foi desligada para saber até que ponto a ventoinha é importante para retirar o calor do interior. Digamos que é um modo totalmente passivo, servindo também para testar com o que podemos contar caso alguma anomalia aconteça quer da parte da alimentação (fonte), quer da parte da ventilação.

– HC01 + fan 120mm -> Esta representa a situação ideal para o uso da Arctic, já que conta não só com o normal funcionamento da fan de 40mm mas também com a ajuda de uma fan de 120mm na parte frontal da case, proporcionando airflow adicional directamente para o interior da HC01.

Vistas as situações, vamos aos resultados:


Como podemos ver, a melhor performance registada foi a situação em que o disco estava colocado na gaiola de HDD e refrigerada por uma fan de 120mm na sua máxima velocidade, isto porque o calor se dissipa rapida e livremente pelo ar circundante, já que não é uma caixa fechada. No entanto, quando baixamos a velocidade dessa mesma fan, as coisas mudam de figura, o calor dos outros dois discos junta-se ao do AAKS e não é dissipado de imediato em redor da gaiola, provocando uma subida de temperatura geral nos discos.
É aqui que entra em cena a HC01-TC. Quando colocado no seu interior, o AAKS beneficia de estar isolado de outros discos e de ter uma ventoinha de 40mm dedicada a retirar o ar quente circundante. Além disso, a absorção de vibrações e ruídos ressonantes é muito superior aos simples parafusos com borrachas, na gaiola de HDD usada anteriormente. No entanto, após o teste de stress, e dependendo apenas de si, a temperatura manteve-se nivelada nos 42ºC por bastante tempo.

Não obstante, para saber até que ponto a fan de 40mm é importante para a Arctic, o seguinte teste foi efectuado com a fan desligada, ficando a configuração totalmente passiva, dependendo meramente da capacidade de dissipação do metal constituinte da estrutura da HC01-TC. Os resultados são esclarecedores, o AAKS atingiu temperaturas muito pouco aconselháveis para um uso prolongado, arriscando assim encurtar significativamente a sua vida útil. Aproveitando ainda esta situação, no final do teste de stress e estando o disco a uma temperatura de 48ºC, decidi ligar novamente a ventoínha de 40mm e ver em quanto tempo demoraria a descer a temperatura do disco (em IDLE) para o valor normal do teste anterior, ou seja, a atingir os 39ºC. Foi o único momento em que ouvi a fan de 40mm a subir a sua rotação de forma significativa, denunciando assim o bom funcionamento do sensor. A temperatura foi descendo lentamente e demorou cerca de 51 minutos até atingir os tais 39ºC, o que foi bastante tempo.

Tal como referi, o teste final representa a situação ideal, com o HC01-TC a funcionar normalmente (40mm ligada) e com a ajuda adicional de uma fan de 120mm na frontal da case a fornecer ar fresco directamente para o interior da Arctic. O resultado é evidente, a temperatura mínima do disco é semelhante ao nosso primeiro caso e apenas em stress o disco atingiu mais 2ºC, devido a se situar fechado dentro da HC01.

No entanto essa temperatura rapidamente desceu novamente após a conclusão do teste, demonstrando o bom equilíbrio entre silêncio e performance desta caixa interna, quando usada em conjunto com uma fan frontal, o que é comum encontrar nas cases de PC de hoje em dia.

Conclusão

No final das contas concluímos que a Arctic HC01-TC é uma mais valia em absorção de vibrações e eliminação de ruídos, mas denota alguns detalhes menos positivos que podem inclusivé comprometer o uso normal desta caixa interna. Primeiro que tudo a compatibilidade com a ligação de cabos é algo limitada, sendo mesmo impossível nos casos em que as fichas sejam em formato “T”. De seguida, a performance térmica embora seja boa comparada com situações passivas, acaba por não ser tão relevante quanto isso no caso de usar o disco normalmente na case com airflow adjacente. Outro ponto menos bom é o facto de que, no final dos testes, quando procedi à remoção do disco, dei conta que as bandas autocolantes das duas esponjas do HDD se tenham agarrado literalmente à superfície do AAKS devido ao calor, separando-se das esponjas em si e ficando assim inutilizadas para uma segunda aplicação/fixação do sensor.

A fan de 40mm, embora pequena, não é barulhenta, e é essencial para manter o disco em temperaturas aceitáveis, sendo que o ideal é usar ventilação adicional na parte frontal para aproveitar o máximo potencial da HC01-TC. O balanço geral do material não é negativo considerando os pontos positivos, tendo ainda em conta que este tipo de material se aplica mais a discos menos recentes, barulhentos e com tendência a vibrar bastante. No entanto, mesmo que assim seja, e tendo em conta as limitações e detalhes apontados, torna-se uma compra não muito atractiva quando o preço recomendado é de 20€. Felizmente que o mercado concorrencial se encarrega de baixar os preços normalmente indicados pelas marcas e dessa forma já o caso muda de figura.

0 Comentários a este artigo

Deixar um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Outros Artigos