Home Periféricos Logitech MX Performance

Introdução

A Logitech é uma marca de imenso respeito em todo o mundo e sempre apostou em produtos de elevadíssima qualidade. Sendo uma marca que conta já com mais de 30 anos de experiência no campo dos periféricos. Foi em 1981 que se lançou no mercado com os ratos que, na altura, eram uma novidade e ofereciam um modo mais intuitivo de interagir com o computador. Rapidamente se tornaram líderes mundiais neste tipo de periférico, reinventando-o por inúmeras vezes para acompanhar a evolução das necessidades dos utilizadores.

Hoje temos em testes um dos seus produtos de topo que se faz acompanhar por inúmeras inovações tecnológicas que caracterizam a Logitech. O Logitech MX Performance apresenta-se como um rato de elevada qualidade para uma utilização intensiva para o dia-a-dia, com um conjunto de características que farão as delícias da maioria dos utilizadores.

Embalagem, Conteúdo e Especificações

A embalagem que se encontra em todas as lojas da especialidade é esta, de cartão e com um aspeto muito simples. Tem um visual sóbrio e utiliza as habituais cores da Logitech, um azul esverdeado e o preto. Na frente uma imagem do rato indica logo o produto que se encontra no interior, assim como também faz referência às diversas características do mesmo.

Na parte de trás, a Logitech explica de um modo mais detalhado e em diversas línguas, as características mais marcantes deste rato, com algumas imagens a acompanhar.

Nas laterais está um descritivo do conteúdo da caixa, em diversas línguas, incluindo o português. Após levantarmos a “tampa”, temos o primeiro contacto visual com o rato em si.

As duas peças mais importantes do conjunto: o rato e o minúsculo recetor. Um particularidade que julgo ser positiva é o facto da embalagem ter o formato do rato pois dá para ter um primeiro contacto com a forma do mesmo e assim, sem ter de abrir a caixa, é possível o utilizador sentir o produto e julgar por si se se adapta.

O conteúdo é extremamente rico em acessórios. Para além dos habituais livros (a Logitech disponibiliza um manual, um livro com conselhos de utilização e a brochura da garantia), estão também incluídos o CD com os softwares, o rato, o recetor, o cabo de extensão do recetor, o cabo de alimentação USB, o adaptador AC e o estojo para guardar os cabos e o adaptador AC. O cabo de extensão do recetor é o da esquerda e é exclusivamente para ser utilizado para esse efeito. É um conjunto de acessórios bastante completo!

Estas são as características técnicas:

  • Darkfield Laser Tracking
  • Logitech Unifying Receiver
  • Flexible recharging system
  • Hyper-fast scrolling
  • Sculped, right-hand shape
  • Four thumb buttons

A tecnologia Darkfield Laser Tracking é uma inovação tecnológica introduzida pela Logitech que permite utilizar o rato em qualquer superfície, incluindo as famigeradas mesas de vidro. Porém, a Logitech também avisa que, apesar desta tecnologia reconhecer todas as superfícies “difíceis”, não a desenvolveram a pensar nos jogadores e que, nesse aspeto, os utilizadores deverão ter em conta preferencialmente o Logitech G9x Laser Mouse.

Outra tecnologia muito interessante que a marca também inclui neste rato é o Logitech Unifying Receiver. Basicamente este é um recetor que permite reconhecer outros periféricos Logitech. A (grande) vantagem é que o utilizador passa a ter disponíveis mais portas USB uma vez que os seus periféricos Logitech utilizarão apenas um recetor. Claro que, para isso acontecer, os periféricos deverão ser compatíveis com esta tecnologia e, para já, ainda só está ao alcance de alguns teclados e ratos. Mas é uma excelente ideia.

Em Detalhe

O rato então. Em primeiro lugar, o design. É fabuloso e extremamente elegante. Aquela linha metalizada confere-lhe um look soberbo. Adiante…

Este é o lado do polegar. Como dá para perceber na imagem, a zona do polegar é reforçada com um material em borracha, para melhorar a aderência. Deste lado estão colocados quatro botões: dois no topo para as habituais funções de avançar e retroceder que tantas vezes utilizamos enquanto navegamos na internet, um botão de zoom e na extremidade, um quarto botão cuja função é de mostrar as janelas que se encontram abertas. Todas as funções podem ser alteradas através do software. Um pouco mais recuado em relação aos botões, encontra-se o indicador de DPI e bateria, que é feito através de um LED verde.

Relativamente à posição dos botões, estão todos ao alcance do polegar, são práticos e não apresentam muita resistência ao pressionar. Porém, aquele botão de zoom parece um pouco deslocado da sua função. Não acredito que haja assim tanta necessidade de fazer zoom que mereça um botão específico para isso. Rapidamente a função foi alterada para a mudança de DPIs…

O MX Performance é um rato exclusivamente para destros. A posição da mão é muito confortável e deverá agradar a todo o tipo de utilizadores. Os materiais utilizados são bastante suaves e têm um toque bastante robusto, notando-se facilmente a experiência que a marca tem neste campo.

Se o lado do polegar é muito bem conseguido e confortável, já o lado oposto deixa muito a desejar, apesar de se notar um esforço da marca para mudar. Os dois dedos destinados a este espaço ficam sem apoio, o que significa que, ou fazemos um esforço maior para estar sempre a agarrar o rato, ou os dedos estão sempre a arrastar pela mesa. Um ponto a rever…

Na frente, a porta mini USB permite ligar o rato por USB e, assim, recarregar e utilizar o mesmo simultaneamente. Porém, a bateria dura para muito tempo até porque na base se encontra um botão para o desligar, ajudando assim a estender o tempo de utilização da bateria.

O scroll… A Logitech tem vindo a introduzir em alguns dos seus produtos uma alternativa ao deslizar mecânico habitual. Este tipo de scroll é completamente livre, ou seja, não faz cliques, não é sequencial e não oferece resistência ao dedo. Para alternar entre estes dois modos basta carregar no botão de cima. Uma vez que esta função não está associada ao software, este botão oferece mais resistência do que os restantes, mas nada de mais. Para além desta função, o scroll também permite deslocamento horizontal. A roda em si é muito boa, com excelente qualidade de construção e nota-se que irá aguentar durante muito tempo.

O recetor é muito pequeno, o que é bastante bom para não ocupar espaço principalmente quando é usado em portáteis. Apesar do rato não ter um sítio específico no seu corpo para guardar esta pequena peça, a Logitech inclui o estojo que permite guardar não só o recetor como também todos os outros cabos.

Na base do rato está o botão para o desligar.

Uma alteração em relação a anteriores modelos, nomeadamente o MX Revolution, é a utilização de uma pilha recarregável em vez da tradicional bateria. Deste modo, torna-se mais fácil a sua substituição futura caso seja necessário. Uma particularidade muito interessante da parte da Logitech é o facto dos skates terem uma reentrância que torna a sua remoção muito mais fácil, caso seja necessário substituir.

Quando está ligado por USB, o indicador de DPI passa a indicar a capacidade da bateria. Apesar da posição onde se encontra, a mão do utilizador nunca esconde este indicador, o que significa que terá sempre presente esta informação, seja ela da bateria ou dos DPIs. Por outro lado, a intensidade dos LEDs não perturba a utilização.

O conector do cabo de alimentação USB tem um formato ergonómico para facilitar a remoção, o que evita a degradação do mesmo.

Comparação

O anterior modelo desta série MX foi o MX Revolution e nada melhor do que colocar os dois lado a lado para percebermos o que mudou. Para começar, O MX Performance perdeu uma roda e tem um ar mais elegante. Entretanto, ganhou dois botões na zona do polegar.

Pode parecer que não há grande diferença mas percebem-se os esforços da Logitech para tornar o MX Performance mais ergonómico e confortável.

Aqui percebe-se melhor o resultado desses esforços: o MX Performance tem um design bastante diferente do MX Revolution, mais alto e mais encorpado.

As diferenças vão para além do próprio rato: o recetor emagreceu consideravelmente… Claro que a nível interno também há muitas diferenças, a começar pelo sensor.

Na base encontramos mais algumas alterações. Os skates são maiores mas em menor quantidade e existe uma bateria que pode ser removida. Já a ligação de alimentação fica a cargo de um cabo USB, o que elimina a necessidade de conectores de alimentação como os presentes no MX Revolution.

Software

O software da Logitech é muito simples e fácil de utilizar. Este é o ecrã principal e mais importante. Daqui podemos alterar todas as funções do rato. À esquerda está o menu de navegação pelos outros ecrãs mas que não são diferentes dos que encontramos no Windows.

Utilização

O MX Performance é um rato bastante confortável para o dia-a-dia, tem um toque muito suave e sente-se a robustez do material. A Logitech, à semelhança do que é habitual nos seus produtos, apresenta-nos aqui um elemento da família MX que faz juz ao nome que ostenta. A qualidade geral deste rato é muito acima da média.

Porém, nem tudo são boas notícias. Se por um lado o rato responde bem em todas as superfícies “difíceis”, por outro, o sensor laser teve algumas dificuldades em responder em diversas situações em superfícies normais. Por vezes, pequenos movimentos não eram detetados e notava-se o atraso no ponteiro.

Conclusão

Em termos de materiais, design, conjunto geral do produto, a Logitech não consegue fazer produtos maus. Com mais de 30 anos de experiência no campo dos ratos, a Logitech apresenta sempre produtos com uma qualidade soberba, desde o produto de gama baixa até ao produtos de topo. E este MX Performance não é exceção. Apesar de ser fabricado na China, a marca não brinca em serviço.

Também é de louvar o fator inovador com que a Logitech encara a realidade. E essa realidade é que a concorrência está cada vez mais forte e se não se derem respostas a questões simples do utilizador comum, uma marca pode vir a ter sérias dificuldades. Este rato inclui duas tecnologias que visam facilitar a vida do utilizador comum: o Darkfield Laser Tracking permite que o rato possa ser utilizado em virtualmente qualquer lado e o Logitech Unifying Receiver facilita o modo como a conexão de diversos periféricos se dá. Apesar de serem apenas dois fatores, eles permitem que o utilizador deixe de se preocupar com pequenas questões do dia-a-dia.

Mas, se por um lado, a Logitech introduz estes dois novos fatores para facilitar a vida, por outro, tem de fazer um esforço maior para melhorar a tecnologia do sensor laser, uma vez que ainda se notaram algumas falhas (pelo menos no sample que foi testado). Claro que existem outro tipo de questões mais particulares, como por exemplo o deslocamento livre do scroll que, na minha opinião, não faz falta, e a questão do posicionamento dos dois dedos mais à direita da mão (o mindinho e o anelar) que poderia ser mais confortável. Mas este tipo de questões são diferentes para cada utilizador e é por isso que é muito difícil um periférico ser ideal para todos os utilizadores.

Outro fator importante na altura de escolher é o preço e este, como também é normal na Logitech, é elevado. Se por um lado o preço é ajustado devido à elevada qualidade geral do rato e quantidade de funcionalidades e características tecnológicas, por outro, e uma vez que o sensor não funcionou perfeitamente, torna-se um preço demasiado elevado. Até porque, o sensor é uma das peças fundamentais de qualquer rato.

Resta-nos agradecer à Logitech por nos ter cedido este exemplar.

0 Comentários a este artigo
  1. Boa review 😉 só não concordo na parte que dizes que o deslocamento livre do scrool não é importante. Para mim que faço bastante leitura no pc e ando muitas vezes para cima e para baixo em ficheiros de texto (programação) é útil esta tecnologia.
    Tem bastante bom aspeto o rato.

    • depende de cada pessoa. tal como disse no artigo, pessoalmente não me faz falta porque normalmente estou com o dedo em cima da roda e, com esse tipo de sensibilidade, as páginas estão sempre a mexer. por outro lado, a sua utilização em programas como photoshop, illustrator, autocad, archicad, etc., é deveras angustiante. já para não falar que quando está nesse modo livre e quiseres carregar na roda para, por exemplo, abrir um link num novo separador, consegue ser um pouco angustiante dada a sensibilidade da deslocação. mas lá está, cada um adapta-se melhor ou pior. no geral é um rato excelente, com grande qualidade. mas garanto-te que se tivesse este rato nunca usaria essa parte do scroll. aliás, já tive um G9 que tb fazia o mesmo e apenas experimentei essa funcionalidade. de resto ficou sempre no normal. o botão para mudar ficava por baixo, felizmente… 😉

      • Percebo bem o que queres dizer, tenho um MX Revolution, e o facto do botao para fazer a troca de scrool ser por debaixo do rato aliado ao facto de quando a roda esta solta fazer com que o scrool mexa sozinho matam completamente esta feature, é raro usar apesar de achar que tem utilidade 🙁

  2. Boa review! Por acaso também notei essas falhas no sensor. Parecia que adormecia :mrgreen: E dei por mim muitas vezes a clicar no botão zoom em vez de retroceder ou avançar.

    Gostei bastante do scroll e do recetor ser universal para produtos Logitech!

    Além disso tudo… Tem um aspeto BRUTAL!!

  3. Boas,

    Quanto ao rato em si parece-me adequado para o tipo de uso que é (wireless work / entertainment).

    Era porreiro que visses, por exemplo a distância ao qual começas a ter problemas de ligação (tenho um Logitech VX nano que impressiona nesse aspecto e dá-me jeito porque muitas vezes tou na cama a controlar o PC que está relativamente longe recorrendo ao magnifier), em que tipo de superfícies é que realmente funciona a 100% dado que eles apregoam que isso funciona até em vidro, explorar um bocadinho mais o software da Logitech que normalmente surpreende e, porque não(?), experimentar em jogos.

    E só tenho mais uma coisa a acrescentar. O apoio ao cliente da Logitech é irrepreensível (pelo menos na minha experiência). Já perdi a conta à quantidade de material novo em folha que me enviam pra casa (eu uso tudo o que posso Logitech).

  4. HAaaaaaa… e quanto ao “modo livre” do scroll, pelo menos a mim dá-me imenso jeito. Habituei-me com um G500, já não há scroll da concorrência que me satisfaça.

    Tens montes de boas utilizações dum scroll livre. Exemplo:

    Eu uso o autopagebreaker / loader que basicamente é uma extensão do chrome que vai fazendo o load das páginas seguintes conforme chegas ao fundo, evitando por exemplo nos artigos paginados ou forums de estar sempre a clicar em next e esperar. Quando quero abrir uma thread / artigo muito grande duma só vez, meto o rato a fazer scroll down (cheio de lanço) e encosto-me pra trás uns segundos, em pouco tempo e sem nenhum esforço carregas umas dezenas de páginas valentes 🙂

    Para trabalhar em documentos super extensos com centenas de páginas também dá bastante jeito percorrer o documento em modo fast forward. Já não me lembro da ultima vez que utilizei as teclas home / end / pg up / pg down.

    Mais coisas? nos jogos, por exemplo, fazes o bind duma arma com pouco spread e rápida a disparar (exemplo: beretta) para scroll down / up, fazes um scroll valente e largas e é ver a arma a disparar em modo frenético (sem spread).

    Enfim, toda uma variedade de situações em que dá realmente jeito.

  5. Meus amigos, a criatividade do ser humano serve para estas coisas. Depende muito de cada utilizador e é por isso que as marcas fazem milhares de produtos, para tentar agradar a todos. A questão do scroll livre é muito específica mesmo. Quando vocês me falam em correr grandes distâncias com o scroll, apesar de compreender, não partilho a mesma experiência por uma razão que é comum a todos: a habituação. O modo como cada utilizador utiliza as ferramentas e se habitua a elas faz com que seja mais difícil mudar. Eu estou habituado a percorrer grandes distâncias de páginas com a barra de deslocação vertical, quando quero ir para o topo/fundo de uma página, CTRL + HOME/END, já para não falar de usar o click da roda para fazer deslocações verticais e horizontais. Como podem ver, cada utilizador tem os seus hábitos e manias. Felizmente, senão os ratos actuais seriam todos iguais… 😉

  6. Eu sou fã da logitech tanto em ratos como em teclados.

    Eu tenho 2 MX Revolution um em casa com um desktop MX 5500 outro só o Rato no escritório, e um VX Revolution para o portatil e é uma Revolução Total 🙂

    No software da Logitech podes colocar o scroll é modo automático ou seja para andar x linhas de cada vez e se rodares a roda com determinada velocidade ele entra em modo livre, assim tens o melhor de 2 mundos, um must, não sei se en versões antigas do software tb existia esta opção mas eu quando sai uma versão nova do software actualizo-o.

    • E o modo auto é muito ‘inteligente’ se estiver numa página com blocos ele deixa-me deslocar x linhas e e estiver numa página tipo esta ele está sempre livre.

      Se largar a roda ele volta a tranca-a para as x linhas configuráveis no software e também a velocidade minima da roda para o modo livre, muito bom. Parabéns à logitech.

Deixar um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Outros Artigos